quinta-feira, 23 de julho de 2015

Vírus (2009)



Título Original: Carriers

Gênero: Suspense, drama

Diretor: Àlex Pastor e David Pastor

Roteiro: Àlex Pastor e David Pastor

Sinopse: " Um vírus mortal se espalhou por todo o globo. Quatro jovens dirigem pelas estradas dos EUA com o objetivo de chegar ao Golfo do México, onde poderiam sobreviver a doença apocalíptica. Seus planos começam a dar errado quando o carro quebra em uma estrada isolada."

Trailer



 Vírus, é sem duvida, um dos meus filmes preferidos de infectados (que diferencio de zumbis: cadáveres que se levantam com fome de carne humana) , junto com o filme de Danny Boyle: Extermínio. O roteiro é bem mais realista e dramático. Já o enredo tem partes um pouco paradas, ainda assim, inteligentes! Os personagens vivem em um mundo apocalíptico, o título já é auto-explicativo. De início aparece uma gravação antiga de dois garotinhos brincando numa praia, mais adiante se entende o porquê e tudo parece se encaixar. Para evitar serem contaminados, os protagonistas devem seguir as regras criadas para o grupo, que me fez lembrar vagamente de Zumbilândia. 

 Encontra-se praticamente tudo que se vê em filmes de zumbis, só que de uma maneira voltada a realidade, sem cenas gores e com a representação dos sentimentos/comportamentos humanos (egoísmo, loucura, frieza...) muito bem colocados em cada situação difícil. Os doentes agem como qualquer outra pessoa saudável, quando se trata de imagem: em estágio avançado, ficam marcados (erupções) e com escorrimento/tosses de sangue. Dessa maneira, se torna difícil matar, sabendo que não é comparável a uma criatura irracional, de corpo fétido, geralmente em decomposição, aderindo ao canibalismo. O drama é mostrado frequentemente, é um dos pontos altos, principalmente nos sacrifícios e decisões que os irmãos são obrigados a fazer, desde interação ou ter que matar contaminados, abandonos e algumas opções desumanas...mas infelizmente, precisas. A história te faz pensar: até aonde teríamos coragem para prosseguir com a jornada? Na dificuldade, seríamos capazes de quê? Ficamos diante de uma realidade cruel, quase sem esperanças, onde a vida se torna rara.

Avaliação:
Péssimo
Ruim
Regular
Bom
Ótimo